18 de mar de 2010

Prá Ele

Ontem foi o Dia especial dele.
Não pude ontem, faço hoje.


Uma vez cheguei na classe na PUC, prá ter aula,  e esse trecho estava escrito na lousa por alguém que não conheço. Acontecia muito naqueles tempos inclusive pelas paredes do prédio novo, elevadores, rampas... Ainda escreviam coisas inteligentes... Infelizmente agora parece que coibem essas manifestações, além do que é capaz de encontrarmos pérolas do tipo ...cada um no seu quadrado... escritas pelas paredes. Pois é. Copiei da lousa e guardei por que sabia que um dia iria escrever prá alguém que mereceria. E o fiz.
Escrevi esse poema em um cartão prá ele uma vez. E eu lembro do que aconteceu. Repito aqui, prá lembrar.
Nesses 24 anos de convivência, teria eu muita coisa prá escrever. Mas acho que não cabe aqui.
Ele sabe. Vou cuidar dele sempre.


" Por fim sou livre dentro dos seres.

Entre os seres, como o ar vivo,
e da solidão encurralada
saio para a multidão dos combates,
livre porque em minha mão vai a tua mão,
conquistando alegrias indomáveis. "
                                                  Pablo Neruda

2 comentários:

Anônimo disse...

Tânia, amiga, pra sempre querida, como é bom ter vocês na minha vida!!! Ela, a vida, foi muito generosa quando fez nossos caminhos se cruzarem....
Bjos
Alcina

alcina disse...

Oi Tânia, amiga, prá sempre querida!!!Como é bom ter vcs em minha vida! Ela, a vida, foi generosa ao cruzar os nossos caminhos.
Bjos
Alcina